Queda de Cabelo: 6 Dicas de Tratamentos

Olá Belezura, descubra vários motivos que causam a queda de cabelo, os tipos de doenças e tratamentos adequados!

Cristina Barros

Queda de Cabelo 6 Dicas de Tratamentos - Mulher assustada com sua queda de cabelo

Olá Rainha, hoje vamos abordar um tema de extrema  importância principalmente  para as mulheres, a tão temida queda de cabelo. Pois o cabelo feminino está diretamente ligado ao amor próprio e a autoestima.

A queda de cabelo pode ter um impacto significativo na autoestima e no bem-estar emocional das mulheres, e é por isso que é crucial discutir esse assunto e trazer informações relevantes sobre o tema. 

Ao longo deste post, falaremos sobre os fatores que podem desencadear a queda de cabelo em mulheres e exploraremos os tratamentos disponíveis para ajudar a lidar com essa questão. 

Então, continue lendo para descobrir mais sobre como a queda de cabelo pode afetar sua vida e quais são as opções para lidar com essa situação de forma eficaz e positiva.

Impacto da Queda de Cabelo na Autoestima

A queda de cabelo pode ter um impacto significativo na autoestima das mulheres. O cabelo desempenha um papel importante na expressão da identidade e estilo pessoal.

Muitas mulheres expressam uma ligação emocional profunda com seus cabelos, e a perda desse aspecto fundamental de sua aparência pode causar angústia e abalar a confiança.

A queda de cabelo pode ser percebida em diferentes estágios da vida de uma mulher e pode estar relacionada a uma variedade de fatores, desde questões genéticas e hormonais até condições de saúde, estresse e desequilíbrios nutricionais. 

É importante considerar o impacto emocional que a queda de cabelo pode causar, e buscar maneiras de lidar com essa situação de forma positiva e proativa.

O cabelo muitas vezes é visto como uma forma de expressão pessoal e pode desempenhar um papel crucial na construção da identidade de uma mulher.

Portanto, a queda de cabelo pode afetar a autoestima, o amor-próprio, a autoconfiança e o bem-estar emocional, causando sentimentos de tristeza, frustração e ansiedade.

A Importância de Tratar as Causas da Queda de Cabelo

Quando se trata de queda de cabelo, é crucial buscar as causas subjacentes e tratá-las de maneira eficaz. Simplesmente tomar vitaminas ou usar os produtos descritos não pode resolver o problema, especialmente se houver desequilíbrios hormonais envolvidos. 

Portanto, investir na investigação das causas da queda de cabelo pode economizar tempo e dinheiro, evitando tratamentos ineficazes. 

Portanto, é fundamental procurar um profissional de saúde que possa realizar exames e identificar alterações hormonais, tumores ou outros distúrbios que possam estar contribuindo para a perda capilar. 

Ao tratar a causa subjacente, é possível resolver o problema da queda de cabelo de forma definitiva, melhorando significativamente a autoestima e a saúde capilar.

Fatores que Causam Queda de Cabelo

A queda de cabelo nas mulheres pode ser desencadeada por uma variedade de fatores, incluindo genética, condições hormonais, estresse, desequilíbrios nutricionais e doenças. 

É importante estar ciente dos possíveis motivos por trás da perda de cabelo para poder identificar a melhor forma de lidar com essa questão. 

Além disso, alterações hormonais, como as que ocorrem após a gravidez ou durante a menopausa, podem desempenhar um papel significativo na queda de cabelo. 

O estresse emocional também pode contribuir para a queda de cabelo, assim como certas doenças e deficiências nutricionais.

É essencial considerar os possíveis fatores que geram a queda do cabelo, a fim de implementar estratégias para lidar com essa questão e promover a saúde capilar.

Doenças e Queda de Cabelo

A queda de cabelo em mulheres pode estar relacionada a doenças e condições de saúde que impactam o ciclo de crescimento do cabelo. 

Fatores como a síndrome do ovário policístico, desequilíbrios hormonais, problemas relacionados à tireoide e outras condições de saúde podem influenciar significativamente a perda de cabelo. 

Além disso, algumas doenças, como a COVID-19, também foram relacionadas como desencadeadoras da queda de cabelo. Identificar a causa subjacente da queda do cabelo é essencial para determinar o tratamento mais eficaz e promover a saúde capilar.

Portanto, entender a relação entre doenças e queda de cabelo é fundamental para buscar a melhor abordagem terapêutica e promover a recuperação capilar. 

Tireóide e Queda de Cabelo

Quando uma pessoa sofre com queda de cabelo, é crucial investigar as causas subjacentes e procurar ajuda profissional para resolver o problema. 

Além disso, é importante considerar o tireoide, uma vez que tanto o hipertiroidismo quanto o hipotireoidismo podem ser uma das causas da queda de cabelo. 

O mau funcionamento do tireóide pode afetar a saúde capilar, causando sintomas como enfraquecimento e queda de cabelo. 

Para investigar essa possibilidade, é fundamental verificar se há um quadro de hipotireoidismo ou hipertireoidismo através de exames. Além disso, é essencial associar os resultados dos exames com o quadro clínico para um diagnóstico preciso.

Testosterona e DHT

Outro aspecto importante relacionado à queda do cabelo é a dosagem de testosterona e diidrotestosterona (DHT). Tanto em homens quanto em mulheres, o excesso de testosterona pode levar à produção elevada de DHT, o que, por sua vez, está associado à queda de cabelo. 

Doenças como síndrome do ovário policístico e hiperplasia congênita adrenal podem causar um aumento nos níveis de testosterona, contribuindo para a perda capilar. 

Além disso, o uso de anabolizantes pode elevar os níveis de testosterona e, como consequência, de DHT, impactando a saúde capilar. 

Portanto, é fundamental ter acompanhamento médico para monitorar os níveis hormonais e buscar tratamentos adequados para queda de cabelo.

Efeitos de Anabolizantes na Queda de Cabelo

O uso de anabolizantes pode elevar os níveis de testosterona e, como consequência, de DHT, impactando a saúde capilar. 

É fundamental ter acompanhamento médico para monitorar os níveis hormonais e buscar tratamentos adequados para queda de cabelo. O uso inadequado de anabolizantes pode causar danos permanentes ao cabelo, resultando em perda capilar irreversível. 

É essencial procurar um profissional que compreenda os efeitos colaterais produzidos e ofereça orientação sobre tratamentos e suplementos que possam minimizar os danos à saúde capilar.

Anticoncepcionais e Oscilações Hormonais

O uso de anticoncepcionais pode causar oscilações hormonais que levam à queda de cabelo. Durante a puberdade, a primeira menstruação e o pós-parto, as mulheres podem experimentar alterações nos níveis de estrogênio e progesterona, o que pode resultar em perda capilar temporária. 

Além disso, a menopausa também está associada a mudanças hormonais que podem levar à queda do cabelo. 

É fundamental que as mulheres tenham consciência dessas possíveis oscilações hormonais, Deve-se considerar o uso de anticoncepcionais, e as fases da vida , pois, ao longo da vida da mulher ocorrem mudanças hormonais significativas. 

Sempre consulte um médico para avaliar os efeitos dos anticoncepcionais sobre a saúde capilar e discutir possíveis tratamentos para evitar a queda de cabelo.

Correlação entre Cortisol e Queda de Cabelo

O cortisol, conhecido como os hormônios do estresse, desempenha um papel importante na regulação da queda do cabelo. Níveis elevados de cortisol, devido ao estresse psicológico, podem levar à perda capilar. 

É fundamental avaliar os níveis de cortisol em relação à queda de cabelo, pois o estresse é uma causa comum de problemas capilares nos dias atuais. 

Além disso, é essencial investigar possíveis distúrbios da glândula suprarrenal, como tumores ou hiperfunção, que também podem estar relacionados ao aumento do cortisol. 

Portanto, ao lidar com a queda de cabelo, é importante considerar não apenas as questões hormonais, mas também a influência do estresse e a saúde das glândulas suprarrenais para um tratamento eficaz e abrangente.

Investigação de Tumores Adrenais e Hipófise

Quando uma pessoa apresenta queda de cabelo, é importante considerar a possibilidade de tumores nas glândulas suprarrenais e hipofisárias, que podem estar relacionadas ao aumento do cortisol, conhecido como o hormônio do estresse. 

O elevado nível de cortisol, devido ao estresse ou à presença de tumores nessas glândulas, pode levar à queda capilar. 

Portanto, é essencial avaliar os níveis de cortisol e investigar possíveis distúrbios da glândula suprarrenal, como tumores ou hiperfunção, para um tratamento eficaz e abrangente. 

Exames como ultrassonografia e ressonância magnética podem ser necessários para identificar a presença de tumores, garantindo que a causa subjacente da queda de cabelo seja tratada de forma adequada. A seguir veja os tipos de queda de cabelo e os seus tratamentos:

Alopecia Androgenética

A Alopecia Androgenética é influenciada por fatores genéticos e hormonais. Ela é causada pela sensibilidade dos folículos capilares ao hormônio (DHT), que é uma forma mais potente de testosterona. 

O DHT encurta a fase de crescimento do cabelo e faz com que os folículos produzam cabelos mais finos e mais curtos até que eventualmente parem de produzir cabelo novo.

Em mulheres, a Alopecia Androgenética geralmente se manifesta como um afinamento progressivo do cabelo na parte superior da cabeça, em vez de uma linha de cabelo recuada como é mais comum nos homens. O cabelo pode parecer mais ralo na parte central do couro cabeludo e ao redor da linha de separação.

Histórico familiar de calvície, desequilíbrios hormonais (como síndrome dos ovários policísticos ou menopausa), estresse, uso de certos medicamentos e envelhecimento são fatores que podem aumentar o risco de Alopecia Androgenética em mulheres.

O tratamento para Alopecia Androgenética em mulheres pode incluir medicamentos tópicos, como minoxidil, que ajuda a estimular o crescimento do cabelo, e suplementos orais, como finasterida, que bloqueia a produção de DHT. 

Além disso, podem ser recomendados tratamentos a laser, terapias de crescimento capilar, ou em casos mais graves, transplante capilar.

Além do tratamento médico, algumas práticas de estilo de vida podem ajudar a gerenciar a Alopecia Androgenética, como reduzir o estresse, manter uma dieta balanceada rica em nutrientes essenciais para o cabelo, evitar penteados apertados que possam puxar os cabelos e usar produtos suaves e sem químicos agressivos no cabelo.

Alopecia Cicatricial

A Alopecia Cicatricial é uma condição na qual os folículos capilares são destruídos e substituídos por tecido cicatricial, resultando em perda permanente de cabelo. 

A causa exata varia dependendo do tipo específico de alopecia cicatricial, mas pode incluir inflamação crônica, infecção, lesão física, queimaduras, doenças autoimunes ou genéticas.

A perda de cabelo na alopecia cicatricial geralmente ocorre de forma irregular e pode ser acompanhada por sintomas como vermelhidão, coceira, dor ou descamação do couro cabeludo. 

O cabelo geralmente não cresce de volta nas áreas afetadas devido à destruição permanente dos folículos pilosos.

Existem vários tipos de alopecia cicatricial, cada um com suas próprias características distintas. Alguns exemplos incluem alopecia frontal fibrosante, lúpus discoide, liquen plano pilaris, dermatite de tração e queimaduras químicas.

O diagnóstico de alopecia cicatricial é geralmente feito por um dermatologista com base na história clínica do paciente, padrão de queda de cabelo, exame físico e, em alguns casos, biópsia do couro cabeludo para avaliar a presença de inflamação ou tecido cicatricial.

Como a alopecia cicatricial resulta em danos permanentes aos folículos capilares, o tratamento visa principalmente prevenir a progressão da doença e controlar os sintomas, em vez de promover o crescimento do cabelo. 

Isso pode incluir o uso de medicamentos anti-inflamatórios, corticosteroides tópicos ou orais, imunossupressores, terapias a laser ou terapia fotodinâmica, dependendo do tipo específico de alopecia cicatricial e da gravidade dos sintomas.

O prognóstico para alopecia cicatricial varia dependendo do tipo e da gravidade da condição. Em alguns casos, a progressão da queda de cabelo pode ser interrompida com o tratamento adequado, mas o cabelo perdido geralmente não cresce de volta devido aos danos irreversíveis aos folículos pilosos. 

O acompanhamento regular com um dermatologista especializado em doenças do cabelo é importante para monitorar os sintomas e ajustar o plano de tratamento conforme necessário.

Alopecia Areata

A Alopecia Areata é uma condição autoimune na qual o sistema imunológico ataca erroneamente os folículos pilosos. 

A causa exata não é totalmente compreendida, mas acredita-se que fatores genéticos e ambientais desempenham um papel importante no desenvolvimento da doença.

Na Alopecia Areata, a perda de cabelo geralmente ocorre em manchas redondas ou ovais no couro cabeludo. Essas áreas calvas podem variar em tamanho e quantidade, e o cabelo geralmente cai rapidamente, deixando a pele lisa.

Em casos mais graves, a condição pode progredir para a perda total de cabelo no couro cabeludo (alopecia totalis) ou em todo o corpo (alopecia universalis).

Pessoas com histórico familiar de alopecia areata ou outras condições autoimunes, como diabetes tipo 1 ou doença da tireoide, têm um risco aumentado de desenvolver a doença. 

O estresse físico ou emocional também pode desencadear ou piorar os sintomas em algumas pessoas. Não há cura definitiva para a Alopecia Areata, mas existem opções de tratamento que podem ajudar a estimular o crescimento do cabelo e controlar os sintomas.

Isso pode incluir injeções de corticosteróides no couro cabeludo, medicamentos tópicos como o minoxidil, terapias com luz UV, imunoterapia tópica ou oral, e em casos graves, medicamentos imunossupressores.

Além do tratamento médico, o apoio emocional e o gerenciamento do estresse são importantes para pacientes com Alopecia Areata, pois a condição pode ter um impacto significativo na autoestima e na qualidade de vida. 

O uso de perucas, lenços ou outros acessórios para cobrir áreas calvas pode ajudar a melhorar a confiança e o bem-estar psicológico.

A doença da Alopecia Areata é imprevisível e pode variar de pessoa para pessoa. Em alguns casos, o cabelo pode crescer novamente sem tratamento, enquanto em outros, a perda de cabelo pode ser recorrente ou progressiva. 

O acompanhamento regular com um dermatologista é importante para monitorar os sintomas e ajustar o plano de tratamento conforme necessário.

Eflúvio Telógeno

O Eflúvio Telógeno ocorre quando há uma interrupção no ciclo de crescimento do cabelo, levando a uma quantidade excessiva de cabelo entrando na fase de repouso (telógena) e eventual queda. 

Essa interrupção pode ser desencadeada por uma variedade de fatores, como estresse físico ou emocional, alterações hormonais, dieta inadequada, perda significativa de peso, cirurgia, doença grave, medicamentos, parto ou trauma.

O Eflúvio Telógeno geralmente resulta em uma perda difusa de cabelo em todo o couro cabeludo, em vez de áreas específicas de queda. 

A queda de cabelo geralmente ocorre de dois a três meses após o evento desencadeante e pode durar vários meses antes de se estabilizar.

Pessoas com histórico familiar de eflúvio telógeno, mulheres pós-parto, pessoas submetidas a cirurgias recentes, indivíduos com distúrbios alimentares, pacientes em tratamento de quimioterapia, e aqueles que sofrem de estresse crônico têm um risco aumentado de desenvolver eflúvio telógeno.

O diagnóstico de eflúvio telógeno é geralmente feito com base na história clínica do paciente, padrão de perda de cabelo e exame físico. 

Em alguns casos, exames laboratoriais, como análise de sangue para verificar os níveis de hormônios, ferro e vitaminas, podem ser realizados para descartar outras causas subjacentes à queda de cabelo.

Em muitos casos, o eflúvio telógeno é autolimitado e o cabelo volta a crescer naturalmente assim que o fator desencadeante é resolvido. 

No entanto, em casos persistentes, o tratamento pode incluir identificação e manejo do fator desencadeante subjacente, suplementação nutricional para corrigir deficiências, redução do estresse, e em alguns casos, o uso de medicamentos tópicos ou orais para estimular o crescimento do cabelo.

O prognóstico para o eflúvio telógeno é geralmente bom, especialmente quando a causa subjacente é identificada e tratada. A maioria das pessoas experimenta uma recuperação completa do cabelo dentro de seis a doze meses após a resolução do fator desencadeante. 

No entanto, em alguns casos, pode ser necessário um acompanhamento mais longo para monitorar o progresso e ajustar o plano de tratamento conforme necessário.

A queda de cabelo relacionada a deficiências nutricionais

A queda de cabelo relacionada a deficiências nutricionais ocorre quando o corpo não recebe nutrientes essenciais em quantidades adequadas para manter a saúde do cabelo.

As deficiências nutricionais mais comuns associadas à queda de cabelo incluem deficiências de ferro, zinco, vitamina D, vitamina B12, biotina e proteínas.

A queda de cabelo relacionada a deficiências nutricionais pode se manifestar de várias maneiras, dependendo da deficiência nutricional.

Por exemplo, a deficiência de ferro pode resultar em uma forma de anemia chamada anemia ferropriva, que pode causar afinamento do cabelo e queda excessiva. 

Deficiências de vitaminas do complexo B, como biotina e vitamina B12, podem levar a cabelos frágeis, secos e quebradiços. A deficiência de proteínas também pode resultar em enfraquecimento e perda de cabelo.

Pessoas em risco de desenvolver deficiências nutricionais incluem aquelas com dietas desequilibradas ou restritivas, distúrbios alimentares, má absorção intestinal de nutrientes, como doença celíaca ou doença inflamatória intestinal, e certas condições médicas que aumentam as necessidades nutricionais, como gravidez ou lactação.

O diagnóstico de queda de cabelo relacionada a deficiências nutricionais geralmente envolve uma avaliação cuidadosa da história médica e dietética do paciente, juntamente com exames de sangue para avaliar os níveis de nutrientes essenciais, como ferro, zinco, vitamina D, vitamina B12 e biotina.

O tratamento para queda de cabelo relacionada a deficiências nutricionais envolve corrigir as deficiências subjacentes por meio de mudanças na dieta e, quando necessário, suplementação nutricional. 

Isso pode incluir o aumento do consumo de alimentos ricos nos nutrientes necessários, como carnes magras, peixes, ovos, legumes, frutas, vegetais e alimentos fortificados. 

Em alguns casos, suplementos nutricionais podem ser prescritos para ajudar a restaurar os níveis adequados de nutrientes.

O prognóstico para queda de cabelo relacionada a deficiências nutricionais é geralmente bom quando as deficiências são identificadas e corrigidas precocemente. 

Com a suplementação adequada e a melhoria na dieta, muitas pessoas experimentam uma melhora significativa na saúde do cabelo e uma redução na queda de cabelo. 

No entanto, é importante continuar monitorando os níveis de nutrientes e seguir uma dieta balanceada para manter a saúde do cabelo a longo prazo.

Queda de cabelo por tração

A queda de cabelo por tração é um tipo de alopecia causada pela tensão repetida ou prolongada nos folículos capilares. 

Esse tipo de queda de cabelo é comum em pessoas que frequentemente usam penteados apertados que puxam os cabelos, como tranças apertadas, rabos de cavalo, coques, extensões capilares ou trancinhas.

A causa principal da queda de cabelo por tração é a tensão física excessiva ou repetida nos folículos capilares. Isso pode danificar os folículos, fazendo com que os cabelos se quebrem ou caiam prematuramente. 

O uso constante de penteados que puxam os cabelos pode levar a danos permanentes nos folículos capilares e à perda de cabelo irreversível.

A queda de cabelo por tração geralmente ocorre nas áreas onde a tensão é aplicada com mais frequência, como ao longo da linha do cabelo, nas laterais da cabeça ou na parte de trás do pescoço.

Os cabelos nessas áreas podem ficar mais finos, frágeis e quebradiços com o tempo, e podem eventualmente parar de crescer se a tração persistir.

Pessoas que usam penteados apertados com frequência, como tranças, rabos de cavalo altos ou extensões capilares, têm um risco aumentado de desenvolver queda de cabelo por tração. 

Outros fatores de risco incluem o uso de acessórios capilares apertados, como elásticos de cabelo ou grampos, e certos estilos de cabelo que envolvem torção ou tracionamento dos fios.

A melhor maneira de prevenir a queda de cabelo por tração é evitar penteados que puxem os cabelos com muita força. Optar por penteados mais soltos e usar acessórios capilares suaves pode ajudar a reduzir a tensão nos folículos capilares. 

Se a queda de cabelo por tração já estiver ocorrendo, interromper o uso de penteados apertados e permitir que os cabelos se recuperem naturalmente é geralmente suficiente para resolver o problema. 

Em casos mais graves, pode ser necessário consultar um dermatologista para avaliação e orientação adicionais.

O prognóstico para queda de cabelo por tração é geralmente bom, especialmente se as medidas preventivas forem tomadas precocemente. 

Uma vez que a tração nos folículos capilares é interrompida, os cabelos geralmente se recuperam e voltam a crescer normalmente. 

No entanto, em casos graves de danos aos folículos capilares, a recuperação completa pode levar mais tempo ou pode não ser possível. 

Por isso, é importante evitar penteados que causem tensão excessiva nos cabelos e tratar qualquer queda de cabelo por tração precocemente para maximizar as chances de recuperação.

Dicas de tratamentos para queda de cabelo

Os tratamentos mais eficazes para queda de cabelo variam dependendo da causa subjacente da queda de cabelo. Aqui estão alguns dos tratamentos mais comuns e eficazes, que podem ser recomendados por um dermatologista após uma avaliação cuidadosa:

1- Minoxidil: Este é um medicamento tópico aprovado pelos orgãos competentes para o tratamento da queda de cabelo em homens e mulheres. 

Ele ajuda a estimular o crescimento do cabelo e pode retardar a perda de cabelo. O minoxidil geralmente é aplicado diretamente no couro cabeludo duas vezes ao dia.

2- Suplementos nutricionais: Suplementos contendo nutrientes essenciais para a saúde do cabelo, como biotina, ferro, zinco, vitaminas do complexo B e vitamina D, podem ser úteis no tratamento da queda de cabelo relacionada a deficiências nutricionais.

3- Terapia a laser: A terapia a laser de baixa intensidade pode ajudar a estimular o crescimento do cabelo e melhorar a saúde dos folículos capilares. 

Este tratamento é realizado em consultórios médicos ou pode ser administrado em casa com dispositivos portáteis.  

4- Cirurgia de transplante capilar: Para casos mais avançados de queda de cabelo, o transplante capilar pode ser uma opção. Nesse procedimento, os folículos capilares saudáveis são transplantados das áreas doadoras para as áreas calvas do couro cabeludo.

5- Tratamentos com corticosteróides: Injeções de corticosteróides no couro cabeludo podem ser recomendadas para certas condições de queda de cabelo, como alopecia areata ou algumas formas de alopecia cicatricial.

6- Tratamentos para condições subjacentes: Se a queda de cabelo for causada por uma condição médica subjacente, como distúrbios da tireoide, síndrome dos ovários policísticos ou outras condições de saúde, o tratamento dessa condição subjacente pode ajudar a melhorar a saúde do cabelo.

É importante consultar um dermatologista para obter um diagnóstico preciso e um plano de tratamento personalizado. Nem todos os tratamentos funcionam para todas as pessoas, e o tratamento mais adequado dependerá da causa específica da queda de cabelo e das necessidades individuais de cada paciente.

Perguntas frequentes

Quais são as principais causas da queda de cabelo nas mulheres?

A perda de cabelo em mulheres pode ser desencadeada por uma variedade de fatores, incluindo genética, condições hormonais, estresse, desequilíbrios nutricionais e doenças.

Além disso, alterações hormonais, como as que ocorrem após a gravidez ou durante a menopausa, podem desempenhar um papel significativo na perda de cabelo.

Como a queda de cabelo afeta a autoestima das mulheres?

A queda de cabelo pode ter um impacto significativo na autoestima das mulheres, causando sentimentos de tristeza, frustração e ansiedade. 

Muitas mulheres expressam uma ligação emocional profunda com seus cabelos, e a perda desse aspecto fundamental de sua aparência pode causar angústia e abalar a confiança.

Quais são os tratamentos disponíveis para lidar com a queda de cabelo em mulheres?

Existem diversos tratamentos disponíveis para ajudar a lidar com a queda de cabelo em mulheres, como o uso de Minoxidil, tratamentos a laser, tratamentos com corticosteróides, o transplante capilar entre outros. 

Além disso, estratégias relacionadas à alimentação e equilíbrio hormonal também podem ser eficazes no tratamento da queda de cabelo.

Como a influência hormonal afeta a queda de cabelo nas mulheres?

A queda de cabelo nas mulheres pode estar relacionada a alterações hormonais significativas, como aquelas que ocorrem durante a gravidez e a menopausa. 

Problemas hormonais, como síndrome do ovário policístico e desequilíbrios hormonais relacionados à tireoide, também prejudicam a queda do cabelo.

Quais nutrientes são essenciais para promover a saúde capilar?

Proteína, ferro e biotina são nutrientes essenciais para promover a saúde capilar. Garantir uma dieta rica em fontes de proteína, ferro e alimentos ricos em biotina pode ajudar a fortalecer os cabelos e estimular o crescimento capilar.

Quais são as possíveis causas hormonais da queda de cabelo?

As possíveis causas hormonais da queda de cabelo incluem desequilíbrios na tireoide, elevação dos níveis de testosterona e DHT, oscilações hormonais causadas pelo uso de anticoncepcionais, e o papel do cortisol como hormônio do estresse.

Por que é importante tratar as causas da queda de cabelo?

Tratar as causas da queda de cabelo é crucial, pois simplesmente tomar vitaminas ou usar os produtos descritos pode não resolver o problema, especialmente se houver desequilíbrios hormonais envolvidos. 

Investir na investigação das causas da queda de cabelo pode economizar tempo e dinheiro, evitando tratamentos ineficazes.

Qual a importância de procurar um profissional para investigar desequilíbrios hormonais?

É fundamental procurar um profissional de saúde que possa realizar exames e identificar alterações hormonais, tumores ou outros distúrbios que possam estar contribuindo para a perda capilar. 

Ao tratar a causa subjacente, é possível resolver o problema da queda de cabelo de forma definitiva, melhorando significativamente a autoestima e a saúde capilar.

Photo of author
Olá, sou a Cristina Barros, formada em Secretariado Executivo Trilíngue e empreendedora da área estética. Desde Abril de 2023 já impactei milhares de pessoas com esse portal como Publisher. Pelo fato de trabalhar no universo feminino da área estética, através da minha experiência, posso compartilhar dicas valiosas, contribuindo de forma positiva no bem-estar de muitas mulheres.